Concrete Logo
Hamburger button

e-learning e TinCan

  • Blog
  • 7 de Fevereiro de 2013
Share


Hoje o termo e-learning não soa estranho para muita gente. Muitas faculdades, portais e empresas citam essa expressão. Mas qual a definição formal do termo? Electronic Learning?

Um aprendizado eletrônico. Isso sim soa muito mais estranho do que e-learning.

Para ser eletrônico precisa ser à distância? Pode ser por e-mail? No meu celular conta? Um video-game talvez? A primeira resposta é não. Para todas as outras: sim. Qualquer aprendizado via uma ferramenta digital pode ser considerado e-learning. A definição na wikipedia está

E-learning includes all forms of electronically supported learning and teaching, including educational technology. The information and communication systems, whether networked learning or not, serve as specific media to implement the learning process. [E-learning inclui todas as formas de aprendizado e ensino suportadas eletronicamente, incluindo tecnologia educacional. Os sistemas de informação e comunicação, quer sejam de ensino conectado ou não, servem como um meio específico para implementar o processo de aprendizado – em uma tradução livre]

Apesar da definição ser bem ampla, hoje e-learning é muito associado a ensino online. Tanto que a definição na wiki portuguesa é:

O e-learning, ou ensino eletrônico, corresponde a um modelo de ensino não presencial suportado por tecnologia. Atualmente, o modelo de ensino/aprendizagem assenta no ambiente online, aproveitando as capacidades da Internet para comunicação e distribuição de conteúdos.

O importante é notar que em ambas as definições temos comunicação de dados. No ensino online a distância isso foi padronizado para que várias fontes de informação pudessem comunicar vários dados sobre seus cursos e alunos. Entre estes dados temos:

  • – Quais cursos um aluno já fez?
  • – Quais foram os progressos que um aluno (ou turma de alunos) fez em determinado curso?
  • – Determinado aluno chegou a concluir o curso?
  • – Etc, etc, etc…

Esse padrão é chamado SCORM (Sharable Content Object Reference ModelModelo de Referência para objetos de conteúdo compartilháveis – tradução livre) e durante muito tempo vários sistemas de aprendizado implementaram. Alguns notáveis:

O grupo responsável por gerenciar este padrão é a ADL (Advanced Distributed Learning).

Como tudo em tecnologia (principalmente nos últimos anos), desenvolvedores são folgados. Para criar uma implementação de SCORM levava tempo, era um protocolo complexo e, claro, com limitações. Um bom artigo que mostra estas limitações está em: https://tincanapi.com/2013/01/11/whats-the-difference-between-tin-can-and-scorm/

Assim surgiu uma idéia diferente, mais simples e mais poderosa para trabalhar a comunicação de dados para sistemas de aprendizado online. Surgiu a Experience API. E, advinhem, qual é a implementação de referência? Exato: TinCan API.

Para entender a especificação, vamos esclarecer dois conceitos sobre e-learning:

    • – LRS (Learning Record Store): O LRS é o lugar onde são guardados todos os registros gerados pelas interações das pessoas. Basicamente, um repositório de dados.
    • – LMS (Learning Management Systems): O LMS é responsavél por fazer a administração dos registros que ficam guardados no LRS e fazer com que esses registros virem informações.

O TinCan API é uma nova especificação de dados para e-learning que propõe a abstração da frase “I do this”  (Eu faço isso – tradução livre) de uma forma simples e flexivel.

Podemos encaixar neste contexto de frase aprendizados via Mobile, simuladores, jogos, redes sociais e até atividades do mundo real, todo esse nicho é suportado pelo TinCan.

Mas como funciona isso?

Qualquer tipo de interação de uma pessoa com outros objetos (ou outras pessoas) é reconhecido pelo TinCan como um aprendizado e tudo isso fica registrado no LRS no formato de “Substantivo, Verbo, Objeto”. De forma ilustrativa temos:

(Fonte: https://tincanapi.com/)

Assim, estes dados ficam disponiveis para outros sistemas como LMS’s entre outras ferramentas:

(Fonte: https://tincanapi.com/)

E o que é na pratica esse “registro” ou “Substantivo, Verbo, Objeto” que é guardado no TinCan?

Este registro é chamado de Statement e ele representa exatamente a experiência obtida por aquela interação. Analisando o Statement abaixo podemos separar em “Fillipe” é o ator praticante da ação, “escreveu” é o verbo e “Post no blog” é a atividade (ou objeto).

{
   “actor”: “Fillipe”,
   “verb”: “escreveu”,
   “object”: “Post no blog”
}

Nesse link Statement Generator pode-se gerar facilmente vários Statements mais completos na sua forma real. Outros links interessantes sobre o TinCan:

Gostou? Não perca então na sequência o post sobre a implementação em Java que fizemos para a TinCan API 🙂  Se você tiver gostado muito, vai adorar o fato de que é um projeto Open Source! \o/ \o/