Concrete Logo
Hamburger button

9 empresas brasileiras que se destacaram em 2014

  • Blog
  • 11 de Janeiro de 2015
Share

Esse texto foi publicado originalmente na Exame.com. Confira aqui.

Se nossa medida de sucesso é o retorno sobre o capital investido, é importante medir alguns marcos intermediários, como investimentos e crescimento. Com base nisso, montamos uma lista das empresas da área digital fundadas por brasileiros que tiveram saída, maior crescimento ou maior nível de investimento em 2014. Segue o nosso resultado:

1) Movile: a empresa, que nasceu no mundo de SMS e hoje atua no setor de aplicativos, games e entretenimento, teve um grande sucesso global com a Playkids e chegou a ter entre seus investidores recentes o fundo Innova, que tem como sócio Jorge Paulo Lemman. Conforme disse a própria Exame (edição 1077), é um caso raro na internet brasileira: tem sucesso global, caixa cheio e dá lucro. Só esse ano, a Movile já levantou 55 milhões de dólares e está presente no México, Argentina, Colômbia, Venezuela e Estados Unidos.

2) VivaReal: replicando um modelo de negócios que já funcionou em outros países, o fundador Brian Requart conseguiu um round C de 100 milhões de reais com uma ideia simples: unir quem quer vender a quem quer comprar imóveis. O VivaReal é o portal imobiliário que mais recebeu investimentos no país, chegando a um total de cerca de 75 milhões de dólares em seis rounds e tornando-se o maior marketplace de imóveis do Brasil.

3) Dafiti: não podemos desconsiderar a empresa que teve o crescimento de faturamento mais rápido do setor de tecnologia do Brasil. Foram quase 250 milhões de dólares em cinco rounds de financiamento, com o último em janeiro deste ano, de 19,3 milhões de dólares. Este ano, a empresa se posicionou como uma holding global de moda, inclusive repaginando sua marca.

4) Easy Taxi: os apps de chamada de táxi deram liquidez e agilidade para os taxistas chegarem aos seus clientes finais de forma mais direta e eficiente. Fundada pelo Tallis Gomes, a Easy Taxi usou o investimento do fundo alemão Rocket Internet para se internacionalizar, e fez isso bem rápido. Em três anos, conseguiu implantar operação em 30 países e já tem mais de 120 mil taxistas cadastrados, com 77 milhões de dólares investidos em cinco rounds.

5) Hotel Urbano: apesar de ter sofrido do esgotamento natural do modelo de compras coletivas, o Hotel Urbano fez uma mudança radical de modelo de negócios que deu muito certo, tornando-se uma agência online. Com isso, conseguiu 80 milhões de dólares em quatro rounds de financiamento e em 2013 foi nomeada a oitava maior empresa de viagens online do mundo em número de visitas, de acordo a CNN.

6) Peixe Urbano: a primeira startup de tecnologia a receber investimento significativo de venture capital no Brasil e mostrar crescimento acelerado fechou seu ciclo com a venda para o Baidu, gigante de provedor de busca chinês. A empresa surfou a onda de compras coletivas como ninguém e com o declínio deste mercado soube se reposicionar muito bem como um mercado de comércio online local. Com a entrada do Baidu, o Peixe Urbano conseguiu se firmar nesse novo posicionamento.

7) Sascar: a líder brasileira na gestão digital de frotas foi comprada pela Michelin esse ano por um valor de firma de R$ 1,6 bilhão. Com sede em São Paulo e 870 funcionários, a empresa registrou em 2013 um volume de cerca de 90 milhões de euros, participando do mercado de pequenas transportadoras independentes e administrando 33 mil frotas de empresas.

8) Getnet: o grande diferencial da Getnet foi alcançar 6% de um mercado extremamente competitivo, que envolve cerca de R$ 300 bilhões, brigando com gigantes como Banco do Brasil, Itaú e Bradesco: o de processamento de pagamentos com cartões.  Não é à toa que o Santander pagou recentemente R$ 1,1 bilhão pela empresa.

9) Nubank: apesar de um volume de investimento baixo, da ordem de 2 milhões de dólares em janeiro, o Nubank merece uma menção honrosa na lista de empresas com mais destaque. Isso porque é uma iniciativa exploratória que conseguiu mostrar que pode ser possível disruptar o mercado de serviços financeiros no Brasil. Como se trata de um investimento da Sequoia e seu fundador foi o responsável pelas operações do fundo no Brasil, essa startup realmente pode fazer diferença em 2015. Para alguém mudar um mercado tão difícil como esse, é preciso a musculatura de um investidor de grande porte como a Sequoia, talvez a mais importante empresa de venture capital dos EUA. As empresas investidas pelo fundo têm um valor aproximado de 20% do total do valor de mercado da Nasdaq.