Concrete Logo
Hamburger button

LoL e Gerenciamento de Equipes: Gamification do jeito certo

  • Blog
  • 16 de Janeiro de 2016
Share

Olá! Meu nome é André Coelho, tenho 28 anos e um vício: League of Legends.

Fui apresentado ao LoL, LoLzinho para os íntimos, no final de 2012 por um colega de trabalho. No início fiquei um pouco reticente, pois já tinha experimentado o DoTA (mod que definiu o gênero MOBA) há alguns anos e não tinha curtido muito. Mas não demorou nem dois meses para eu convencer os meus amigos a largarem o Battlefield 3 e entrarem nesse mundo comigo. Cada dia jogava mais e mais e, antes de que eu pudesse me dar conta, estava viciado. Aqui estamos, três anos depois, e apesar de ter mudado de emprego, me casado e mudado para São Paulo, o LoL continuou uma constante na minha vida. É por meio dele que eu mantenho contato com os meus melhores amigos e me divirto por horas sem ter que pagar nada por isso.

Sempre tive muito interesse no estudo da Gamification e estava há algum tempo querendo escrever aqui no Blog sobre isso. Motivado por uma discussão sobre MOBAs (Multiplayer Online Battle Arena) que rolou no fórum da Concrete (tem um resumo no post dos 10 links mais comentados em Agosto), comecei a pensar em quanto o LoL tinha influenciado o meu comportamento e o quanto eu aplicava esses conhecimentos, inconscientemente, no meu dia-a-dia. Foi quando eu me dei conta que o “joguinho” tinha sido um dos principais responsáveis pelo meu desenvolvimento profissional nos útlimos anos, assim como influencia o que eu almejo em um futuro próximo. Finalmente, encontrei um tema que eu acredito que tenha propriedade o suficiente para desenvolver na área de Gamification.

Com isso, consegui pensar em alguns tópicos que eu quero desenvolver aqui nos próximos meses:

1-  Técnicas e conceitos de gamification

2 – Decorage: como o LoL me mostrou o meu maior defeito

3 – Heroes of the Storm vs LoL: como a Blizzard enfatizou o trabalho em equipe

4 – Não faça a comp do Montanha. Foque no “meta”.

5 – Entrevista com um técnico da CBLoL

6 – Outras idéias que virão… =)

Bom, chega de introdução e vamos colocar a mão na massa! Espero que vocês estejam tão empolgados quanto eu! Para termos uma boa base de conhecimento quero dedicar o resto desse post para explicar o que é Gamification e o que é LoL. Duas coisas que muita gente não conhece ou então acha que conhece.

Gamification

Antes de começar a explicar o assunto eu sempre gosto de esclarecer que Gamification não é algo que foi inventado ou descoberto. É um conjunto de reações psicológicas muito visitadas em outros campos de pesquisa, que algumas pessoas resolveram juntar e dar um nome. Então não espere nenhum tipo de epifania, somente um conjunto de idéias e estudos que, juntos, formam um conceito bastante coeso.

Então, o que é Gamification pra você? Provavelmente você acha que é pegar alguma “coisa” e transformar em um jogo. Bom, isso não é Gamification. Isso é ‘pegar alguma “coisa” e transformar em um jogo’. ;D

Gamification

Ainda existe muito debate na área sobre a real definição de Gamification, mas eu gosto muito de uma dada por Sebastian Deterding em um paper do qual ele foi co-autor em 2011: “Gamification é a utilização de elementos e técnicas de design de jogos fora do contexto de um jogo“. (tradução livre)

Então, quando o McDonalds faz a promoção do Monopoly não está fazendo gamification (IMHO), está adicionando um jogo ao seu processo de venda. O resultado final pode até ser parecido mas não houve aplicação de uma técnica de design do jogo em um contexto diferente. Já o Foursquare, na época em que usava badges e prefeituras, fazia a aplicação de uma técnica de design de jogos (PBL) para aumentar o engajamento com o seu produto.

Não existe receita de bolo para adicionar gamification a algum contexto. Todos os problemas devem ser analisados separadamente para se encontrar a melhor solução, mas existem técnicas e frameworks que te ajudam a explorar soluções e fazer um MVP. Vou aprofundar um pouco mais nesse assunto em um próximo post.

Sempre vi a Gamification como uma excelente ferramenta de motivação em ambientes em que a motivação natural é baixa, mas fiquei realmente feliz quando percebi essa nova aplicação: como a minha experiência no jogo e as decisões de design das empresas que os desenvolveram me moldaram como profissional (em breve, vou falar mais sobre isso por aqui). Nesse post, o Lucas Cardinali falou um pouco sobre como a Concrete usou esse conceito por meio de um evento, o Coders on Games. Vale a pena dar uma olhada.

League of Legends

O LoLzinho é um fenômeno mundial. Em 2014 a Riot Games, desenvolvedora do jogo, arrecadou quase US$ 1.000.000.000. Essa é uma grande marca se você considerar que é um jogo, em sua essência, grátis. Tudo que só pode ser pago exclusivamente com dinheiro é puramente uma melhoria estética, que não dá qualquer tipo de vantagem dentro do jogo. Em apenas seis anos ele se tornou o jogo mais jogado no mundo.

LoL

Diferentes dos MMORPGs, febre do início dos anos 2000, os MOBAs se definem mais em um conceito de partida do que de evolução constante. Então, assim como em muitos esportes, cada partida tem início, meio e fim e não influencia em nada a próxima.

De uma maneira geral, os MOBAs consistem em dois times de cinco jogadores que disputam entre si quem consegue destruir primeiro a base inimiga. A semelhança com jogos RTS (Real Time Strategy) não é à toa, uma vez que o DOtA, primeiro jogo do gênero, foi criado como um mod de Warcraft 3.

O post vai ficar (ainda mais) extenso se eu for explicar aqui como o jogo funciona. Então, para quem não está familiarizado recomendo assistir a esse vídeo para entender o funcionamento do jogo. (Apesar da voz irritante, do visual infantil e dos exemplos desatualizados, esse foi o vídeo que eu encontrei com a melhor explicação).

Caso você ainda esteja perdido sobre os conceitos, fique tranquilo. Nos próximos posts eu vou explicar os conceitos nos quais eu me baseei com mais calma. Espero que vocês tenham gostado da ideia, e se tiverem qualquer sugestão sobre como posso continuar escrevendo essa série, deixem nos campos abaixo.

Nos vemos em Summoner’s Rift!