Concrete Logo
Hamburger button

Como foi o Coders on Beer de Java e .NET?

  • Blog
  • 18 de Abril de 2018
Share

Não poderia começar esse post com outro comentário a não ser que o capítulo de Java e .NET ARRASOU na apresentação de ontem, em São Paulo, sobre Microservices. No melhor estilo Concrete de ser, o capítulo deu uma verdadeira aula como um propósito bem definido e motivação geram incríveis resultados. Foram três meses de preparação, mais de 30 pessoas envolvidas e no final tivemos uma apresentação de conteúdo riquíssimo, super fluida e um tanto divertida. Vamos ver os detalhes?

Caio Waquil e Helena Penha abriram a noite com uma introdução ao Microservices. O que é, para que serve e os principais benefícios da abordagem. A proposta é solucionar problemas em cenários com muito tempo de ajuste e configuração, muitas operações rotineiras manuais, de difícil escalabilidade e com deploys agendados fora de hora. Em resumo, de acordo com Martin Fowler (o ídolo do nosso Assis, que já já entra na história), Microservice é:

“Uma abordagem para o desenvolvimento de uma única aplicação, com um conjunto de pequenos serviços, cada um utilizando seu próprio processo e utilizando um tipo de comunicação leve, uma API de recursos HTTP”.

Helena Penha, fazendo a introdução a Microservices.

Basicamente uma caixinha com suas próprias responsabilidades e contexto, de acordo com Caio Waquil. Entre os benefícios, nossos Javeiros citaram curva de aprendizado muito rápida, escalabilidade e mais facilidade para lidar com stress no desenvolvimento. Então, é só usar, certo? Na verdade não… #muitacalmanessahora.

Para usar Microservices é preciso atender a alguns pré-requisitos, como rápido provisionamento e deploy e monitoramento básico, além de ter DevOps como uma cultura e parte da equipe, não só como buzzword. Em outras palavras, é preciso uma mudança de “mindset”, parar de pensar em monolítico e partir para uma perspectiva de limite de contexto, de atenção com as dependências, de trabalho em times multidisciplinares e principalmente de muita atenção com a qualidade.

Entretanto, “depois do commit existe um universo inteiro” (Waquil, Caio – 2018).

E essa foi a deixa para que Francisco Melo (o “Assis”) e Guilherme Andrade assumissem o microfone para falar de tudo (juro, é bastante coisa) o que envolve a abordagem de Microservices. Eles falaram sobre o Gitflow e como ele melhora a visibilidade das features e limpa o code review, entraram a fundo no que é DevOps e como práticas como monitoramento contínuo, CI e os dois CDs impactam a vida dos desenvolvedores e contaram o que Kubernetes, Docker, AWS, Jenkins e Github têm a ver com isso tudo.

Guilherme Andrade e Francisco “Assis” de Melo falaram sobre a cultura DevOps.

Assis ainda falou sobre os diferentes tipos de testes, sobre e TDD e BDD e sobre os polêmicos testes em produção antes de Murilo Carvalho assumir a talk sobre sustentação, gerenciamento e monitoramento. O recado foi: “monitore as pequenas coisas e use o conjunto para ver o quadro maior”, citação de Sam Newman. Murilo mostrou as diferentes ferramentas que nosso time usa para monitorar microsserviços, entre elas New Relic, Prometheus, Pagerduty, Kibana e Grafana. No meio da demonstração do Grafana de repente algumas coisas estranhas começaram a aparecer na tela e do nada levanta alguém da plateia…

Era o Juliano Sato, nosso fera em Segurança, demonstrando um ataque de negação de serviços. Foi a deixa para a última apresentação, na qual Juliano falou dos pilares da segurança da informação (confidencialidade, integridade, disponibilidade, autenticidade e legalidade), sobre o algoritmo Token Bucket e sobre a comunidade OWASP, sobre a qual tem alguns posts aqui no Blog.

Ufa! Não preciso dizer que foi uma noite de muito aprendizado, né? Tudo isso acompanhado, claro, de pizza e chopp. Obrigada a todos pela presença! Se você quer ver a apresentação, está aqui. Se você estava aqui, deixe a sua opinião sobre o evento. Se inscreveu e não deu pra vir? Conte aqui o que rolou. E se você não quiser perder o próximo fique ligado nas nossas redes sociais. Mês que vem eu volto 😉 Até lá!

Valeu Galera! =)

Somos parte da Accenture e estamos em constante movimento. Trabalhamos junto às maiores empresas do Brasil para garantir os melhores produtos digitais do mercado. Para isso, usamos design, desenvolvimento ágil e nossa cultura de inovação. Trabalhe com os melhores: concrete.com.br/vagas